Jardim Paulistano: novos tempos aproximando o Legislativo e a comunidade

A SAB Jardim Paulistano tem muito que come-morar no que se refere à sua Unidade Básica de Saúde da Família, pois a mesma, inaugurada há dois anos presta um serviço de qualidade à comunidade. Existem um médico clínico geral e um dentista, que impreterivelmente cumprem seus horários para melhor servir à comunidade. Assim como os medica-mentos sempre estão à disposição dos usuários. Porém ainda existem algumas lacunas a serem preen-chidas, como o aumento do número de profissionais, pois a unidade acaba atendendo moradores de vários bairros.
Outra melhoria é a sinalização das ruas do bairro, que auxiliam na segurança, principalmente nas imedi ações das escolas, onde estão con-centradas as crianças que constituem um público vulnerável no trânsito.
Em nível nacional, no bairro Jardim Paulistano, está localizado o Resta-urante Popular modelo para o Brasil, onde são servidas diariamente cerca de 1.200 almoços e 300 jantares. Este Restaurante se destaca dos demais por ser o único a distribuir quentinhas. Antigamente as pessoas que traba-lham na região gastavam cerca de R$ 120 por mês com alimentação. Após a criação do Restaurante, esse valor passou para 20 reais mensais. “O atendimento é muito bom, uma comida balanceada.” afirmou José Félix dos Santos, comerciante da região.
Mas há algumas deficiências a serem sanadas, como por exemplo, a ponte que interliga os bairros Jardim Paulistano e Distrito Industrial que está quebrada dificultando assim, o translado principalmente nas situa-

ções de emergência. E ainda algumas ruas que não receberam pavimen-tação. Como também a reativação do posto policial no Distrito dos Mecânicos.
Um dos problemas que mais carece de solução diz respeito à construção da sede da SAB. A construção já havia começado, mas descobriu-se que o terreno tinha sido vendido para duas pessoas, então a obra teve que parar. Por conta disso, a SAB está sem sede própria e as reuniões ocorrem na residência do presidente. Entre melhorias e carências o Jardim Paulistano vêm se consolidando como um importante bairro da cidade de Campina Grande.

Evellyn Lima
Luiz Felipe Macêdo

JULGAMENTO DE UM SOLDADO

Um Soldado colocou-se de pé e diante de DEUS, pronto para última inspeção
pela qual teria que passar, desejando que , assim como a fivela do cinto e os
emblemas de metal, também os seus coturnos estivessem a brilhar e seu
uniforme impecável.
– Um passo a frente, Soldado! Como vou fazer contigo? Foste fiel à igreja?
Deste o outro lado da face ao inimigo?
O Soldado respondeu:
– NÃO! NÃO SENHOR! Nós que andamos armados, nem sempre podemos ter
amor! Na maioria dos domingos, eu estava de serviço, na igreja não fui não
Senhor… Em muitops momentos, eu falei de modo impuro… Houve muitas vezes
em que fui violento, pois meu mundo é muito duro… Mas nunca guardei um
tostão que a mim não pertencesse… E quanto mais uma conta se acumulava,
aos trabalhos extras eu me dedicava, e de minha família me afastava… Mas às
vezes, SENHOR me perdoa, eu chorei por coisas à toa, e por dores dos outros.
Reconheço que não merecço ficar entre os que já estão em Seu meio; que
jamais me quiseram por perto, a não ser quando sentiram receio… Se tiver um
lugar para mim, como nunca consegui muito mesmo, luxuoso não precisa ser.
E caso não hja nenhum, eu saberei entender»…
Faz-se silêncio em redor do trono, onde os Santos passeavam. E o soldado
esperou o veredito do SENHOR:
– Teu corpo serviu com alma e coração… Fez-te escudo para o próximo…
Portanto, anda em paz pelo paraíso… INFERNO já foi tua missão…

No último dia 5 de março, por volta das 17h, na Avenida Dinamérica, o policial militar Romualdo Brito Figueiredo, 27, morador do Novo Cruzeiro, morreu após ser atingido por um tiro quando estava perseguindo uma dupla de bandidos. O policial ainda foi socorrido, mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito. Em virtude disto, o Diretor de Comuni-cação da UCES e pai do policial, Romualdo Figueiredo, pretende encaminhar pleito junto a Prefeitura Municipal de Campina Grande para que a Unidade Básica de Saúde da Família do bairro Jardim Paulistano receba o nome do seu filho. Esta seria para ele uma justa homenagem para um homem que faleceu cumprindo sua tarefa.
A Câmara Municipal de vereadores de Campina Grande aprovou o Projeto de Reunião Itinerante que tem como objetivo reunir mensalmente nos bairros da cidade os vereadores e a população para discutirem e buscarem soluções para os problemas que afetam as comunidades campinenses.

O presidente da Câmara Municipal Nelson Gomes Filho afirmou que as reuniões promoverão a aproximação dos vereadores e da população das comunidades. Tal projeto foi idealizado em 2009 por Nelson Gomes Filho, a partir de conversas informais com as lideranças comunitárias e será executado ao longo de todo o ano de 2010. Esse é um projeto pioneiro, pois não constam que outras câmaras realizem este trabalho, apenas a Assembléia. As sessões funcionarão como uma extensão da Câmara. Portanto, todos os 16 vereadores da Casa deverão comparecer, caso contrário, receberão faltas.

Os locais onde ocorrerão as reuniões serão eleitos através de sorteios realizados na sede da UCES juntamente como o assessor da Casa Félix Araújo. A primeira reunião será realizada no dia 31 de março no Vila Cabral de Stª Teresinha juntamente com o Itararé. Segundo o presidente da Casa, para atender a todos os bairros da cidade, posteriormente poderão ser marcadas mais de uma reunião por mês.

É imprescindível a ativa participação da comunidade para que tais sessões possam trazer melhorias efetivas para os diversos bairros de Campina Grande.

Ermaela Cícera
Evellyn Lima

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *