Movimentos Sociais se mobilizam em defesa do não fechamento da ala pediátrica do Hospital da FAP

reuniao_uces_sobre_fap1


Todos contra o fechamento da ala materno-infantil do Hospital da FAP. Foi isso o que decidiram os representantes de sociedades de amigos de bairro, associações de moradores, clubes de mães e diversas outras entidades da sociedade civil organizada de Campina Grande que participaram nesta terça-feira (25/05) de reunião realizada na sede da UCES (União Campinense das Equipes Sociais), convocada pelo deputado Bruno Cunha Lima (PSDB), que articula mobilização para tentar evitar o fechamento da ala materno-infantil do Hospital da FAP – um equipamento de saúde que atende comunidades de 18 bairros carentes da cidade, beneficiando em média 50 mil crianças/mês.reuniao_uces_sobre_fap

O fechamento foi anunciado pela direção do Hospital da FAP, que alegou falta de teto financeiro para justificar a desarticulação do serviço. O déficit revelado pela instituição é de R$ 50 mil mensais.

Para o deputado Bruno Cunha Lima: “O fechamento da ala punirá mães e crianças carentes de várias comunidades, que terão a partir daí apenas duas alternativas: ou o Hospital da Criança, cuja demanda se aproxima da exaustão, ou as unidades particulares – proibitivas para a maioria dos usuários do Hospital da FAP”.

Segundo o representante do Sindicato dos Médicos, Dr. Eduardo Lira: “todas as argumentações apresentadas pela direção da FAP, como: número insuficiente de médicos pediatras, déficit financeiro do serviço de pediatria, falta de acomodação física para pacientes com câncer e comprometimento do credenciamento em Oncologia pela FAP, tiveram soluções apresentadas em outras reuniões, mas a direção da FAP insiste no fechamento da ala pediátrica”, destacou o médico.

“Vamos continuar juntos e ampliar a mobilização com outras entidades da sociedade civil organizada campinense e não vamos admitir o fechamento da ala materno-infantil do Hospital da FAP, pois isso trará enormes prejuízos à população campinense, principalmente às crianças carentes que moram no entorno da FAP e utilizam aquela unidade hospitalar”, afirmou o presidente da UCES, João Batista.

Como encaminhamentos da reunião ficou decidido que todas as entidades irão reforçar o abaixo-assinado que está circulando para se ter um número bastante expressivo de assinaturas, além da elaboração da “CARTA DA UCES” ou “CARTA ABERTA DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA CAMPINENSE EM DEFESA DO NÃO FECHAMENTO DA ALA PEDIÁTRICA DO HOSPITAL DA FAP”, proposta pelo deputado Bruno Cunha Lima.

Print Friendly

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *